Institucional > FIEP

Paraná é uma das prioridades do Japão

Missão da província de Hyogo classifica o Brasil como um dos cinco parceiros mundiais prioritários e o Paraná como estado de grande importância econômica

O Paraná é classificado como um dos estados chaves para que industriais japoneses ampliem os negócios com o Brasil. De acordo com Masaaki Akagi, diretor do International Economic Division da província de Hyogo, o Estado é um importante parceiro comercial pois pode fornecer desde matéria-prima até produtos industrializados, como autopeças.

Masaaki esteve em Curitiba participando de um encontro empresarial, promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná, com cem empresários paranaenses e japoneses. Também a delegação de Hyogo veio reforçar o acordo comercial e institucional de 35 anos com o governo paranaense.

O presidente da Japan External Trade Organization (Jetro) do Brasil, Teiji Sakurai, afirma que a visita da missão Hyogo é a primeira de uma série de encontros programados por empresários japoneses ao Brasil. “Hoje o Brasil, ao lado China, Índia e Rússia, é apontado como país alvo e de grande importância estratégica para o Japão”, diz Sakurai.

Segundo a Jetro, o Brasil é apontado como um país de alta tecnologia nos setores aeronáuticos (em função da Embraer), sucroalcooleiro e prospecção de petróleo, além de importante fornecedor de comoditties (agrícola e mineral), produtos semimanufaturados e alimentares.

“O interesse dos japoneses por metanol é para buscar alternativas para a matriz energética e se adequar o Protocolo de Quioto”, explica Henrique Santos, do Centro Internacional de Negócios (CIN), da Fiep. Em função desta necessidade, está programado para a próxima sexta-feira (12) a vinda de empresários japoneses para conversar com empresários do setor sucroalcooleiro do Paraná.

Teiji Sakurai afirma que novas missões deverão desembarcar no Paraná em dezembro. “É possível ampliar o mercado entre os dois países, que ainda é pequeno”, diz Sakurai. Atualmente, as exportações entre o Brasil e Japão ficaram em quase US$ 3 bilhões. Deste valor, quase US$ 100 milhões são de vendas de produtos paranaenses.

About Author