Modelagem é a gramática do estilo, diz Jum Nakao

A afirmação do renomado estilista paulistano foi feita durante o I Fórum Senai de Modelagem, realizado nesta quarta-feira (6), em Curitiba

clique para ampliar Fórum buscou apoiar a atualização profissional e o desenvolvimento do setor industrial do vestuário e confecção do Estado (Foto: Rogério Theodorovy)

A importância do profissional de modelagem em todos os processos de produção de moda foi o foco das discussões do I Fórum Senai de Modelagem, realizado na quarta-feira (6), em Curitiba, no Cietep. Empresários da indústria têxtil e de confecção, modelistas, estilistas, estudantes e demais profissionais da área, tiveram a oportunidade de se atualizar quanto à interface da modelagem com processos de criação, produção e mercado, além de descobrir as novas técnicas para a profissão.

“A modelagem é a gramática do estilo e o que dá vida à uma peça”, disse o renomado estilista paulistano Jum Nakao, um dos convidados do evento, que foi realizado pelo Senai Paraná. Para dimensionar a importância da profissão, o estilista traçou um panorama histórico da modelagem, passando pelo século 16 e até os tempos atuais. “Em 1560 já existiam os precursores do que hoje chamamos de modelistas. Os artesãos, como eram chamados, emprestavam o seu saber para vestir os nobres”, explicou.

Nakao, que na década de 80 assinou as criações da marca Zoomp, também é lembrado por sua controvertida coleção de vestidos de papel, rasgados no desfile “Costura do Invisível”, da São Paulo Fashion Week, em 2004. Como forma de protesto à moda “vazia”, o ato representou sua despedida das passarelas.

Na sua palestra sobre Modelagem e Negócios, a estilista da Colcci, Thaís Rossiter, afirmou que para se ter bons resultados no mercado da moda, a técnica precisa estar acima da criação. “Além de ser criativo, o profissional precisa estar atento a outros fatores, como, por exemplo, se o produto terá mercado consumidor”, observou Thaís.

Outro fator que deve ter relevância para o modelista é a ergonomia da peças. Na avaliação da consultora de moda Elaine Radicetti, é essencial que o profissional tenha noções de antropometria para entender o biotipo do consumidor. “Cada nação tem um tipo de estrutura física. A ergonomia aplicada ao vestuário vem dar essa adaptação anatômica para a peça”, disse Elaine. A consultora é especialista na área de padronização de medidas para a indústria do vestuário e diretora da Draft Manequins.

O evento foi promovido pelo Senai Paraná que atua com cursos profissionalizantes e consultoria para empresas na área de Design de Moda. O Fórum buscou apoiar a atualização profissional e o desenvolvimento do setor industrial do vestuário e confecção do Estado.

About Author