Internacionalização como caminho para superar a crise

Representantes da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) participaram nesta semana do SelectUSA Investment Summit 2017 e prospectaram oportunidades de negócios para empresas do Estado

Em tempos de crise, é preciso buscar alternativas para que as empresas superem as dificuldades e mantenham vivos seus negócios. Um dos principais caminhos para isso é a internacionalização, com a busca por novos mercados para os produtos brasileiros.

Foi com esse objetivo que a Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) participou, nesta semana, em Washington, do SelectUSA Investment Summit 2017. Promovido pelo Departamento de Comércio norte-americano, o evento reuniu 3 mil empresários, investidores e representantes de entidades empresariais, de mais de 60 países, que receberam uma série de informações sobre o panorama para investimentos e relações comerciais com os Estados Unidos.

“A Fiep não está esperando passivamente que a crise passe e procura oportunidades para que as indústrias paranaenses, afetadas pelas dificuldades no mercado interno, possam manter ativos seus negócios”, afirma o presidente da Fiep, Edson Campagnolo, que liderou a comitiva da entidade no SelectUSA. Para ele, a participação no evento mostrou inúmeras possibilidades de incremento nas relações comerciais de empresas do Paraná, de diversos setores e de todos os portes, com os Estados Unidos.

Campagnolo destaca que, apesar de temores causados na comunidade internacional por algumas políticas protecionistas do presidente Donald Trump, os vários representantes do primeiro escalão do governo norte-americano que participaram do SelectUSA deixaram claro que há muito espaço para empresas estrangeiras no país. “Nesse contexto em que alguns países podem ter seus produtos sobretaxados, o Brasil pode se beneficiar. E o Paraná, que já possui várias cadeias produtivas com DNA exportador, pode aproveitar essas oportunidades”, afirma.

Setores promissores
Além de conhecer mais a fundo a realidade do mercado norte-americano, a Fiep aproveitou o SelectUSA Investment Summit 2017 para apresentar alguns dos segmentos industriais do Paraná que possuem maior potencial para realizar negócios com os Estados Unidos.

O objetivo dessa ação é abrir novos mercados e aumentar as exportações ao país, que hoje é apenas o terceiro principal destino dos produtos paranaenses. Em 2016, as empresas do Estado venderam um total de US$ 781,3 milhões de dólares aos Estados Unidos, valor bem abaixo do US$ 1,5 bilhão comercializado com a Argentina e dos US$ 3,5 bilhões vendidos à China.

“O mercado americano é o melhor do mundo em potencial consumidor, e o setor produtivo paranaense tem condições de aumentar suas vendas ao país”, afirma Paulo Roberto Pupo, vice-presidente da Fiep e coordenador do Conselho Temático de Negócios Internacionais da entidade. “Entre todos os setores industriais do Paraná, a Fiep busca os melhores cenários junto ao governo americano para melhor posicionar nossos produtos e encontrar os nichos de mercado para os diferentes segmentos”, completa.

A Fiep elencou cinco setores com maior potencial de incremento nas relações comerciais com os Estados Unidos. Entre eles, alguns que já têm exportações significativas para o país, como a indústria de madeira e mobiliário. Em 2016, esse segmento respondeu por quase metade das vendas de produtos paranaenses para os Estados Unidos, totalizando US$ 383,6 milhões em negócios.

Também foram destacadas as indústrias automotiva, têxtil e de confecção, de alimentos e da construção civil. No último caso, a Fiep identifica um grande potencial para o caminho inverso: a atração de investimentos norte-americanos ao Brasil, especialmente em obras de infraestrutura. “O Brasil hoje, mesmo com a crise, apresenta uma oportunidade muito grande para fundos de investimentos que estão circulando ao redor do mundo buscando grandes parceiros. Dentro do cenário brasileiro, o Paraná tem grande atratividade, e a Fiep foi a porta-voz dessa mensagem junto aos participantes do SelectUSA”, ressalta Pupo.

Apoio para a internacionalização
Com os dados coletados nos painéis de debates do SelectUSA Investment Summit 2017 e no intercâmbio com integrantes do governo norte-americano e participantes do evento, a Fiep vai agora disseminar as oportunidades para a indústria paranaense. “Voltamos para casa com as informações macro que nos foram passadas nesses três dias e agora vamos prospectar, em nosso quadro de empresas e sindicatos, quais as reais possibilidades que temos de incremento de negócios com os Estados Unidos”, explica o presidente da Federação, Edson Campagnolo.

Além disso, a Fiep seguirá oferecendo todo o auxílio necessário para as indústrias que pretendem se lançar no mercado externo. Por meio de seu Centro Internacional de Negócios (CIN), é disponibilizada uma série de serviços que dão suporte às empresas no processo de internacionalização.

Capacitações com especialistas em comércio exterior são realizadas mensalmente, abordando temas que vão desde a precificação até a operação de sistemas específicos que envolvem as transações internacionais. A troca de experiência também é um dos focos de atuação do CIN. Por isso, além dos treinamentos, eventos com profissionais e empresas quem têm sucesso no mercado global são promovidos. E para que as indústrias que ainda não exportaram possam conhecer as oportunidades de negócios, o CIN organiza missões empresarias para as principais feiras que acontecem no mundo.

“Nós, da Fiep, temos o papel de dar visibilidade às oportunidades que surgem no mercado internacional”, diz Campagnolo. “Nosso objetivo é expandir os negócios das empresas, mostrando alternativas para que os setores produtivos continuem funcionando. Por isso, queremos animar nossos empresários para que percebam a internacionalização como uma atividade permanente em seus negócios”, conclui.

About Author