Coluna > Coluna semanal

Empreendedorismo: das salas de aula para o mercado

Trilha da Inovação é uma diretriz que aponta aos estudantes das instituições do Sistema Fiep o caminho da realização profissional e pessoal

Uma pesquisa realizada em 2015 pela Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje), em 26 estados e no Distrito Federal, com mais de 5 mil pessoas com idades entre 18 e 39 anos, apontou o perfil dos jovens brasileiros em relação ao empreendedorismo.

Embora a grande maioria tenha a intenção de investir em um novo segmento de negócio, 86% relataram não ter se preparado para alcançar o objetivo. Esse dado permite identificar a necessidade de incentivo ao empreendedorismo jovem, começando pela Educação.

Embora não esteja na grade curricular da maioria das instituições de ensino por ser um estudo de competências transversais, o empreendedorismo deve ser estimulado em todas as escolas e em alunos de todas as idades.

O Sistema Fiep, por meio de uma metodologia pedagógica ativa, tem seus estudantes como centro do processo educacional. Os alunos do Senai, Colégio Sesi e das Faculdades da Indústria são desafiados a desenvolver projetos e a se comportar como empreendedores. Os professores têm papel importante, mas atuam como mediadores da aprendizagem e do desenvolvimento dos jovens, ajudando a conferir autonomia e incentivo ao empreendedorismo.

Entre as iniciativas que tornam o Sistema Fiep uma referência em Educação, estão um conjunto de atividades para o incremento do empreendedorismo. Entre elas, a Trilha da Inovação na Educação do Sistema Fiep: uma diretriz que aponta aos estudantes das instituições do sistema o caminho da realização profissional e pessoal.

Trilha para empreender

A Trilha da Inovação na Educação do Sistema Fiep é um caminho para desenvolver o empreendedorismo inovador na rede de Educação do Sistema. A diretriz evolui em quatro fases: Mobilizar; Experimentar; Prototipar; e Incubar e Acelerar. Saiba mais sobre cada uma delas:

  • Mobilizar – Essa etapa é destinada à geração de ideias, para que os alunos percebam a importância do empreendedorismo e da inovação. É nessa fase que os jovens vão despertar para a cultura da inovação em sala de aula.
  • Experimentar – Despertado o interesse, os estudantes passam a experimentar suas ideias.
  • Prototipar – Depois que as ideias ganham forma, é hora de prototipar as soluções encontradas para verificar sua viabilidade.
  • Incubar e Acelerar – A ideia deu certo! É preciso seguir adiante e colocar esse produto ou serviço no mercado? O Sistema Fiep tem a estrutura para dar esse suporte aos seus alunos.

Durante a Trilha, os estudantes participam de competições de ideias inovadoras, que vão desde as mais simples até as mais complexas, desenvolvidas em sala de aula. Algumas dessas competições são o Grand Prix de Inovação, as seletivas da Olimpíada do Conhecimento e da WorldSkills, o Prêmio Inova Senai Sesi, o Desafio de Projetos Integradores e a First Lego League.

Para saber mais sobre Educação Empreendedora, acesse: sistemafiep.org.br/educacao.

About Author