Associativismo e Modernização Trabalhista mobilizam contadores em todo o PR

Evento promovido pela Fiep tem levado informações sobre mudanças causadas pela Lei n° 13.467/2017

A Lei n° 13.467/2017, da Modernização Trabalhista, está em vigor desde novembro de 2017. Mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) foram revistos. As novas regras impactam diretamente todos os setores da economia.  Especialistas acreditam em um novo cenário, com oportunidades de trabalho regulamentado e sem perda de direitos para os trabalhadores.

As empresas devem estar atentas a essa nova realidade e se preparar para implantar da maneira mais assertiva possível as alterações permitidas pela nova legislação. E os contadores podem ser importantes agentes nesse processo de adequação. Para isso, a Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) está promovendo uma rodada de encontros com contadores em todo o Estado, com informações sobre as mudanças e esclarecimento de dúvidas. Já foram realizados encontros em Cascavel, Francisco Beltrão, Pato Branco, Londrina, Curitiba e Irati.

Na capital paranaense, cerca de 62 contadores participaram da ação. O fim da obrigatoriedade da contribuição sindical foi um dos temas abordados durante o encontro. Para a presidente da Academia de Ciências Contábeis do Paraná, Nilva Amália Pasetto, as novas regras devem mudar a relevância dos sindicatos. “Os sindicatos atuantes, que fazem diferença na vida do empresário, eu acredito que não vão perder contribuição. Com certeza, os industriais deveriam estar atentos a esta questão do associativismo porque uma reivindicação sozinha não tem força para grandes mudanças”, avalia a especialista.

O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Paraná (Sinduscon-PR), Sérgio Luiz Crema, lembrou que a modernização trabalhista fez os sindicatos repensarem seu papel de apoio à competitividade das indústrias. “Estamos em uma nova era no Brasil, desde a modernização trabalhista. Hoje o Sinduscon-PR tem mais de 1.100 empresas filiadas e acredito que essa representatividade existe em função de nossa credibilidade, sobretudo em relação ao apoio com as convenções coletivas. A contribuição é uma chancela do industrial em relação ao sindicato. A partir do momento que o industrial contribui, ele diz eu confio em você. E o fim da obrigatoriedade resgata esse papel fundamental do sindicato para o desenvolvimento do setor”, defende.

Os próximos compromissos serão em Ponta Grossa (23), Maringá (24) e Guarapuava (30).

Os interessados podem confirmar presença pelo telefone: (41) 3271-9058/ 9029 ou pelo e-mail ger.sindicatos@sistemafiep.org.br

About Author