Coluna > Coluna semanal

O poder transformador de Sesi e Senai

Instituições, que fazem parte do Sistema S, contribuem para o desenvolvimento do setor produtivo e de toda a sociedade

Instituições que atuam no Paraná e no Brasil há mais de 70 anos. Que possuem um poder transformador, já tendo possibilitado acesso ao mercado de trabalho ou crescimento profissional a milhões de pessoas, garantindo sustento digno a suas famílias. Que atuam para aumentar a segurança, saúde e bem-estar dos trabalhadores. Esse é o Sistema S, um grupo de entidades que contribuem, de fato, para o desenvolvimento do setor produtivo e de toda a sociedade.

O que é o Sistema S?
É um conjunto de serviços autônomos, previsto na Constituição Federal, que presta apoio a diferentes segmentos econômicos. Atuam com treinamento profissional, assistência social, consultoria, pesquisa e assistência técnica. Pelo foco de sua atuação, o Sistema S mantém, em todo o país, uma ampla estrutura física de atendimento às empresas e aos trabalhadores.

Qual é a estrutura no Paraná?
Analisando somente o caso do Sistema Fiep, responsável pela gestão de Sesi e Senai no Paraná, são 64 unidades fixas e 46 unidades móveis, que atendem todo o Estado. O Senai oferta diversas modalidades de cursos, da iniciação profissional à pós-graduação. Também mantém uma rede de Institutos Senai de Tecnologia e de Inovação, que desenvolvem consultorias e projetos de pesquisa em parceria com indústrias. Já o Sesi atua com ações educacionais e serviços voltados à segurança e saúde no trabalho. Um dos destaques é o Colégio Sesi Ensino Médio, com 53 unidades, sendo cinco com ensino bilíngue. No ano passado, 62% das 308 mil matrículas registradas pelas duas instituições foram gratuitas.

À estrutura de Sesi e Senai se somam, ainda, as instalações das outras instituições do Sistema S que também atuam no Paraná, como Sesc e Senac (comércio), Sest e Senat (transportes), Senar (agricultura), Sescoop (cooperativas) e Sebrae (micro e pequenas empresas).

Como é financiado?
As instituições do Sistema S são mantidas por contribuições pagas pelas empresas dos respectivos setores que atendem. O valor é definido de acordo com o montante total que a empresa paga em salários para seus funcionários. Apesar de a base de cálculo ser a folha de pagamentos, esses recursos não são descontados dos salários dos trabalhadores, mas exclusivamente pagos pelos empresários.

As instituições são fiscalizadas?
Como prestam serviços de interesse público, as instituições do Sistema S estão sujeitas à fiscalização dos Ministérios da Educação e do Trabalho. Também prestam contas anualmente à Controladoria Geral da União (CGU) e ao Tribunal de Contas da União (TCU), que avaliam o uso correto dos recursos que lhes são direcionados.

No caso do Sistema Fiep, transparência e controle na aplicação dos recursos são uma premissa. Sua estrutura de governança corporativa possui uma Auditoria Interna e uma Gerência de Riscos e Compliance. As demonstrações contábeis também são analisadas por auditores independentes. O orçamento e prestações de contas passam, ainda, pelo crivo dos Conselhos Regionais de Sesi e Senai, que contam com representantes da indústria, eleitos pelos sindicatos filiados à Fiep, e dos trabalhadores.

Confira alguns números de Sesi e Senai em 2017

  • 212.281 trabalhadores atendidos em Segurança e Saúde
  • 719.471 exames ocupacionais e complementares
  • 33.339 exames pelo programa Cuide-se + de Prevenção ao Câncer
  • 130.407 horas de consultorias
  • 308.133 matrículas educacionais
  • 192.749 matrículas gratuitas
  • 62% das vagas gratuitas

About Author