9ª edição do Congresso Nacional Moveleiro começa em Arapongas

Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho do Magazine Luiza, fez palestra de abertura e contou sobre o case da sua rede de lojas

A abertura aconteceu nesta quarta-feira (15). Crédito: Gelson Bampi

Industriais, empresários do varejo, arquitetos, profissionais de design, decoração, marketing e vendas e estudantes participam  do 9º Congresso Moveleiro promovido pelo Sistema Fiep. Este ano, o evento começou na manhã desta quarta-feira (15) e segue até 17 de agosto, no Centro de Eventos Expoara, em Arapongas, norte do Paraná.

Leia também: Oportunidades de negócios nacionais e internacionais são destaques do segundo dia do 9º Congresso Moveleiro

O tema desta edição é “Virtual + Real – Convergir para gerar vantagem competitiva”. “O evento tem uma abrangência nacional, acontece em uma cidade que é um polo do setor. O Sistema Fiep entende que esta é uma oportunidade de mostrar à cadeia produtiva inovações, oportunizar networking e negociações que são fundamentais para qualquer indústria”, disse o presidente do Sistema Fiep, Cláudio Petrycoski.

Já na abertura, a empresária Luiza Helena Trajano, diretora da rede de lojas Magazine Luiza, apresentou o case de mercado “Magalu e a era digital”. Responsável pelo desenvolvimento do grupo varejista e pelo reconhecido avanço que tornou a empresa uma das maiores redes do Brasil – com 864 lojas e 10 centros de distribuição em 16 estados, ela fala sobre empreendedorismo, digitalização, governança e futuro do país. “Eu trabalho desde menina, e não lembro de quando não tinha crise. Temos que parar de reclamar e falar mal do país”, ressaltou ao abriu as atividades do Congresso com uma palestra dinâmica e que encantou a todos no auditório lotado.

Ela falou também que lojas físicas e e-commerces podem coexistir. “O digital não vai acabar com o físico. Ele tem que se unir com o físico. Não é uma questão de postura, é uma questão de mentalidade”, citou ao fizer que a rede Magazine Luiza está abrindo muitas lojas físicas no Brasil. Mas, segundo ela, ” a loja física  e  a indústria vão ter que ter um novo formato. Um formato de pensar no cliente e estar inovando e fazendo experiências sempre”,  finalizou.

Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho do Magazine Luiza, contou sobre o case da sua rede de lojas. Crédito: Gelson Bampi.

O evento tem foco em tendências e novidades do design. Marina Otte Butzke, professora universitária e arquiteta especialista em design, apresenta um case de mercado da indústria; Mônica Barbosa, colunista de design da revista Caras, trata de “Cores, Formas e Tendências do design contemporâneo; Ana Brum, diretora do Centro Brasil de Design, aborda o design como estratégia de agregação de valor; Marcelo Villin Prado, diretor do IEMI – Inteligência de Mercado, fala sobre “Cenários do mercado moveleiro inovação & competitividade”; e os empresários, Hugo Santos e Benício José de Oliveira Filho, falam sobre “Tecnologia disruptiva: inovação na indústria tradicional”. A programação completa com todos os temas e horários das palestras, oficinas e painéis está disponível no site do congresso no endereço www.congressomoveleiro.org.br .

Estilo de Vida

Katalin Stammer, idealizadora do espaço Estilo de Vida. Crédito: Gelson Bampi.

Tradicionalmente um dos locais mais concorridos do Congresso Nacional Moveleiro, o espaço Estilo de Vida traz um ambiente em quatro versões diferentes, mostrado desde a concepção do projeto – pelo olhar virtual, passando por uma visão técnica do projeto em duas dimensões, à realidade da impressão 3D até a materialização do espaço finalizado. A proposta da arquiteta Katalin Stammer, diretora criativa do escritório Katalin Stammer Arquitetura e Design, é estimular o imaginário das pessoas por meio de um percurso que vai do ambiente virtual ao ambiente físico. Outro ponto considerado no projeto foi trazer uma evolução dos projetos apresentados anteriormente (casa contêiner e Tiny House), focados na economia criativa e no uso do design nacional. Agora, o foco é um espaço único que mostra todas as fases de um projeto e o que é relevante na hora de escolher o mobiliário: praticidade, funcionalidade, qualidade, tecnologia aplicada.

Negócios e network
Para quem busca oportunidades de negócios, Sebrae/PR e ABIMÓVEL alavancam o encontro entre compradores e empresários do setor moveleiro e fomentam vendas. Os Encontros de Negócios do Sebrae terão de 30 a 40 compradores nacionais, como lojistas, grandes redes varejistas, redes de hotéis e de franquias, universidades e operadores de e-commerce do Paraná, Santa Catarina e de São Paulo. Do outro lado, podem se inscrever para a agenda de negociações empresas e expositores participantes do congresso, apresentando seus produtos e estreitando laços comerciais. A expectativa é promover 350 encontros nos três dias de congresso. Caravanas de todas as regiões do estado foram mobilizadas para o evento.

Já quem está de olho no mercado externo, a ABIMÓVEL, em parceria com a Apex-Brasil, promoverá rodadas de negócios internacionais entre indústrias moveleiras e compradores de diversos países. A agenda conta com cerca de 50 importadores do Chile, Colômbia, Peru, Panamá (abrangendo a América Central), México, Estados Unidos, Europa e Emirados Árabes Unidos (com expansão para os países do Golfo/Norte da África). O objetivo é consolidar a região Norte do Paraná como referência na produção de móveis, ampliando a competitividade e abrindo novos mercados aos empresários do setor.

Prêmios
Além de inúmeras palestras, debates e encontros de negócios, o Congresso também vai premiar os novos talentos. Dez projetos de móveis inovadores, desenvolvidos por alunos do Colégio Sesi do Paraná, estão em exposição por meio de protótipos baseados em realidade virtual e aumentada. Eles foram desenvolvidos em trabalhos curriculares dos estudantes, na oficina de aprendizagem denominada Entre Pregos e Cavacos, em que os alunos são desafiados a buscar soluções para o mercado moveleiro, e também, a participar do concurso criando um design inédito de um móvel. O tema deste ano é “No mundo híbrido, a indústria está sob demanda”. Os autores de 10 projetos pré-selecionados apresentam no evento. Quem “vender” mais móveis será o campeão.

Na mesma linha, acontece o Hackathon, uma maratona em que profissionais de diferentes áreas são desafiados a construir soluções aplicáveis em máquinas que auxiliem a indústria moveleira na era da manufatura digital. Após uma etapa classificatória, os melhores trabalhos passaram para a fase final, que acontece durante o Congresso. Os selecionados podem contar com ajuda de mentores para auxiliá-los em seus projetos. No total, serão R$ 7 mil em prêmios aos participantes.

Exposição
E para complementar a programação, acontece também a exposição Casa & Mobília, resultado de uma pesquisa que previu que o design de móveis se tornaria cada vez mais democrático, fazendo parte da vida das pessoas de todas as classes sociais. Com o tema “Entre e fique à vontade”, a mostra tem curadoria do Centro Brasil Design, que traz o conceito do morar sob o olhar de produtos que possuem identidade e significado. Das milhares de fotos da pesquisa, foram selecionadas 30 imagens que serão expostas em 40 painéis, agrupadas por ambientes de uma casa, onde será possível notar a evolução no consumo mobiliário.

A indústria moveleira em números
O setor de móveis brasileiro concentra 77% dos empregos e 72% das empresas em cinco estados: São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais e Santa Catarina. O Paraná é o terceiro principal mercado, com 34,5 mil postos de trabalho e mais de 3 mil empresas do segmento no estado.

Os municípios paranaenses que mais geram postos nesta área são Arapongas, Maringá e Curitiba. Arapongas é a cidade com mais trabalhadores no setor moveleiro em todo o país. São mais de 9.300 pessoas. O curioso é que mais de 98% das indústrias moveleiras do Paraná são micro e pequenas empresas.

Em 2017, o BNDES desembolsou mais de R$ 20 milhões em financiamentos para o setor moveleiro paranaense. No acumulado de 2015 a maio de 2018, esse valor chegou a quase R$ 60 milhões. O município de Arapongas foi o maior beneficiado, com 25% do total liberado pelo banco no estado.

Em relação às exportações brasileiras, neste ramo elas cresceram 13% entre 2015 e 2017, movimentando US$ 582 milhões. Com o aumento das exportações e a redução das importações, houve aumento de 55% no superávit da balança comercial do setor. O Chile foi o principal destino dos produtos do setor moveleiro paranaense, comprando 13% do total. Outros países foram, Peru (12%), Paraguai (10%), Bolívia (9%), Estados Unidos (8%), Uruguai (7%), Argentina (5%), México (4%), África do Sul (3,8%) e Colômbia (3%).

 

About Author