Industriais do Paraná mantêm confiança na recuperação da economia

Levantamento da Fiep em setembro mostra que índice de confiança está na área de otimismo, quatro pontos acima da marca histórica

Pelo segundo mês seguido, o Índice de Confiança da Indústria de Transformação (ICIT) do Paraná cresceu. Este mês, foi de +0,6, somando 52,2 pontos, permanecendo na área de otimismo. O valor está quatro pontos acima do índice histórico do estado, porém, teve queda de 4,6 pontos em relação a setembro do ano passado.

Crédito da foto: Gelson Bampi

Tradicionalmente, setembro apresenta resultados superiores aos de agosto. Outro ponto é que após cinco meses de queda, de março a julho, o empresário do setor tem demonstrado estar um pouco mais otimista em relação à recuperação da economia. “O importante é mostrar que quando este índice cresce, aponta uma maior disposição do industrial em investir e ampliar negócios, que pode resultar em reaquecimento do setor e geração de empregos”, avalia o economista da Fiep, Evânio Felippe.

O índice de confiança é formado pelo indicador de condições e de expectativas. Ou seja, um mede como o empresário se sente em relação às condições econômicas do mercado e de sua empresa, melhora de processos operacionais e de gestão interna. E o outro, estima as expectativas com o cenário econômico e com a empresa no futuro.

Em setembro, houve aumento de 2,3 pontos no índice de condições, que ficou em 48 pontos, mas ainda abaixo dos 50 pontos, na zona de pessimismo. “Nos últimos três meses, o indicador de condições apresentou recuperação, evidenciando sinais de melhora nas condições da economia e na das empresas. Mas apesar do avanço, o resultado mostra que o empresário ainda acredita mais na melhora das condições de sua própria organização do que da economia de forma geral”, explica Felippe.

O indicador de expectativas teve ligeira queda de 0,2, ficando em 54,3 pontos, mas mantendo-se otimista há 28 meses seguidos. Somando ambos, atingiu-se a marca de 52,2. “Apesar da recorrência do indicador na zona de otimismo, ele ainda está muito próximo dos 50 pontos e da área de pessimismo. Também existem questões a serem definidas no cenário eleitoral até o fim do ano, que podem influenciar as expectativas do empresário nos próximos seis meses, por exemplo, com relação a investimentos”, analisa.

Construção Civil

Já na indústria da Construção Civil, o índice de confiança dos empresários paranaenses caiu 1,4 pontos este mês, após ter registrado pequena alta em agosto. Apesar disso, o indicador permanece na área de otimismo por dois meses seguidos, a 51,4 pontos. O resultado é pior em relação ao mesmo mês do ano passado, queda de 7,8 pontos, e de 5,5 em relação à marca histórica.

A redução verificada em setembro é típica do mês. Ao contrário do que ocorre na indústria de transformação, neste setor sempre há queda de confiança em relação a agosto. Houve encolhimento de -5,2 pontos no índice de condições, que ficou em 46,2 pontos, na área de pessimismo. Já o índice de expectativas subiu +0,5 ponto, chegando a 54 pontos, na área de otimismo. Estes dois índices, o de condições e o de expectativas, compõem o índice de confiança do setor, que atingiu a 51,4 pontos em setembro.

About Author