Campagnolo comemora início de voos no Sudoeste, mas pede mobilização por aeroporto regional

Para o presidente do Sistema Fiep, operação da Azul em Pato Branco é uma conquista, porém região precisa pensar em estrutura para atender demanda futura

Aeroporto de Pato Branco passou por reformas e vai receber voos a partir de janeiro (Foto: Prefeitura de Pato Branco)

O presidente do Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, afirma que o início das operações de voos comerciais em Pato Branco, a partir de janeiro, deve servir para fortalecer ainda mais a mobilização pela melhoria da infraestrutura aeroportuária do Sudoeste do estado. Em sua opinião, isso passa obrigatoriamente pela viabilização do projeto de um aeroporto regional, que atenda de maneira mais adequada a demanda da sociedade e das empresas da região, que deve crescer significativamente nas próximas décadas.

“Sem dúvida alguma, o início da operação da Azul em Pato Branco é uma conquista para o Sudoeste, fruto da dedicação de inúmeras lideranças regionais e de entidades como o Sistema Fiep, que se articularam para viabilizar as melhorias necessárias na estrutura atual”, diz. “Porém, pensando na demanda futura, que tende a ser cada vez maior, é necessário planejamento em longo prazo. Precisamos fortalecer a união de todo o Sudoeste em torno do projeto de um aeroporto regional, para que tenhamos em alguns anos uma estrutura adequada para receber aeronaves maiores, atendendo assim não apenas a população, mas também o setor produtivo da região”, completa.

Campagnolo lembra que já existe uma proposta de construção de um aeroporto regional no município de Renascença, às margens da BR-280, entre Pato Branco e Francisco Beltrão. Esse projeto foi apresentado, em 2016, à Secretaria de Aviação Civil (SAC) da presidência da República, que na ocasião se comprometeu a realizar estudos prospectivos para a implantação do novo terminal no Sudoeste do Paraná. “Até hoje, porém, isso não ocorreu. Como a realização de todos os estudos, projetos de engenharia, liberação de licenças e execução das obras de um novo aeroporto leva no mínimo oito anos, é preciso retomar essa ideia imediatamente”, diz o presidente do Sistema Fiep.

Segundo Campagnolo, a construção de um aeroporto regional é uma das prioridades para o Sudoeste apontadas pelo Plano Estadual de Logística em Transporte do Paraná (PELT 2035), estudo que reúne as obras necessárias para garantir competitividade e desenvolvimento ao setor produtivo paranaense. “Por esse motivo, o Conselho Temático de Infraestrutura da Fiep vai reiniciar as tratativas com lideranças regionais e com os órgãos competentes para que esse projeto efetivamente avance e possa, em longo prazo, suprir a demanda da região”, conclui.

About Author