Mais do que formação técnica, mercado de trabalho exige habilidades socioemocionais

As chamadas soft skills são competências que devem ser desenvolvidas desde cedo, tanto na criação familiar quando escolar

Contratados pelas hard skills, demitidos por falta de soft skills. A justificativa dada por departamentos de Recursos Humanos pode ser assustadora, mas uma realidade cada vez mais frequente. Hard skills são os conhecimentos técnicos sobre determinado assunto, enquanto soft skills são as competências relacionadas à personalidade e comportamento profissional. Uma pesquisa da Capgemini Digital Transformations Institute, de 2017, aponta que 60% das empresas sofrem com uma crise de soft skills entre seus colaboradores. Por isso, em um ambiente de trabalho cada vez mais colaborativo, criativo e flexível, a busca por profissionais com essas competências só aumenta.

Autoconhecimento, coragem, paciência, persistência, controle de impulsos, resistência às frustrações, comunicação e empatia são algumas das principais características que compõe um profissional com soft skills. Elas são desenvolvidas de acordo com as experiências, criação e educação de cada indivíduo. “Estas habilidades garantem que, no ambiente de trabalho, o profissional estará preparado para lidar com situações adversas, conflitos, metas, desafios e resultados”, comenta Jacielle Feltrin, coordenadora de Educação Básica do Sistema Fiep.

Por isso, uma das preocupações do Colégio Sesi é desenvolver as soft skills desde cedo nos estudantes, formando profissionais empreendedores e emocionalmente capacitados. Por meio de uma metodologia inovadora, os alunos são incentivados a ter mais autonomia em relação aos seus estudos, fazendo com que se tornem mais comprometidos com a própria aprendizagem. “Uma formação integral, que contempla aspectos científicos, tecnológicos, socioculturais e emocionais, é o caminho para a formação de indivíduos capazes de se posicionar, contribuir e transformar a realidade em que vivem”, afirma Jacielle.

Os estudantes trabalham em equipes interseriadas e são desafiados a buscar conhecimento multidisciplinar e soluções em conjunto. “Assim, o aluno é estimulado constantemente a desenvolver e colocar em prática as soft skills, articulando conteúdos curriculares com situações reais de aprendizagem e de vida”, diz Jacielle.

As matrículas do Colégio Sesi estão abertas para o ano letivo de 2019 e podem ser feitas diretamente na secretaria de cada unidade. Mais informações podem ser acessadas aqui: www.colegiosesi.com.br.

Sobre o Colégio Sesi

O Colégio Sesi foi lançado no Paraná em 2005. Hoje é a maior rede de ensino médio particular do estado, com mais de 10 mil alunos. São 49 unidades, sendo seis delas internacionais – cinco com ensino bilíngue e uma com trilíngue. O objetivo é atuar para o desenvolvimento social e humano, com uma metodologia diferenciada que alia educação, tecnologia e inovação. Os alunos são desafiados a resolver questões interdisciplinares em uma visão sistêmica, a partir de pesquisas que levam à construção do conhecimento e os preparam para trabalhar na indústria, agregando sempre mais ao setor.

About Author