Fiep se reúne com bancada do Paraná no Congresso Nacional

No encontro, que contou com a presença de 20 deputados federais e dois senadores, foram apresentadas algumas demandas do setor industrial

O presidente da Fiep, Edson Campagnolo, apresentou alguma das prioridades para o setor industrial (Foto: Gelson Bampi)

A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) se reuniu, na manhã desta quarta-feira (13), em Brasília, com a bancada parlamentar do Estado no Congresso Nacional. Participaram do encontro 20 deputados federais, além dos senadores Flávio Arns (REDE) e Oriovisto Guimarães (PODE). O presidente da Fiep, Edson Campagnolo, destacou a importância de os parlamentares discutirem e aprovarem medidas que possam contribuir com a retomada do crescimento econômico, em especial as reformas da Previdência e Tributária, e colocou a entidade à disposição para contribuir com subsídios técnicos que possam embasar o posicionamento de cada um.

“A Fiep, assim como a CNI (Confederação Nacional da Indústria), tem condições de prestar o suporte necessário para que vocês possam debater o país e levar ao Congresso ações que contribuam com a retomada do crescimento”, disse Campagnolo. “Temos uma demanda muito forte em relação às reformas, com a Previdenciária sendo prioridade absoluta. Também precisamos de uma Reforma Tributária que, do ponto de vista econômico, também é essencial”, acrescentou. Para o presidente da Fiep, uma simplificação no sistema tributário, mesmo que não resulte em diminuição imediata da carga de impostos, será importante para a redução da burocracia, melhorando o ambiente de negócios do país. “Não temos dúvidas de que a indústria pode contribuir sobremaneira para a recuperação dos empregos perdidos, e essas reformas serão importantes nesse processo”.

Leia também:
Em audiência com industriais paranaenses, Paulo Guedes apresenta prioridades da política econômica

Campagnolo também solicitou à bancada que, em Brasília, acompanhe de perto o processo de construção de um novo modelo de concessão para as rodovias do Anel de Integração do Paraná. Já está definido que essa questão será conduzida pelo governo federal, com a formação de um grupo de trabalho composto também por representantes da administração estadual e do setor produtivo paranaense. “Os contratos vencem em 2021 e é preciso construir um novo modelo que não seja nocivo à economia do Paraná como o atual. Gostaríamos de contar com uma atenção especial dos parlamentares paranaenses em relação a esse tema”, afirmou o presidente da Fiep.

O senador Flávio Arns afirmou que esse tipo de aproximação dos parlamentares com entidades da sociedade civil organizada é fundamental. “Todos nós queremos o desenvolvimento humano, social e econômico do Paraná e do Brasil. Para que isso aconteça, temos que ter a soma de esforços da sociedade, das prefeituras, do Estado e do governo federal”, declarou. “E ter a participação da Fiep é a base para todo o resto, porque dependemos de emprego e de renda, e isso vem em grande parte da indústria”, completou.

O deputado Toninho Wandscheer (PROS), coordenador da bancada do Paraná na Câmara Federal, também destacou a importância do empresariado para o crescimento do país. “O empresário é quem movimenta o Brasil, é quem toca a máquina que gera recursos para que o poder público viabilize obras de infraestrutura e todas as obras necessárias para o país”, afirmou. “Temos que conversar mais, saber qual é o pensamento da indústria para ficar atentos aqui no Congresso e possamos agir de acordo com o interesse do país. E o interesse do país é que a gente tenha empresas fortes, gerando emprego e renda para o trabalhador”, acrescentou.

Também participaram da reunião os deputados federais Aline Sleutjes (PSL), Aroldo Martins (PRB), Boca Aberta (PROS), Christiane Yared (PR), Enio Verri (PT), Evandro Roman (PSD), Felipe Francischini (PSL), Filipe Barros (PSL), Gustavo Fruet (PDT), Leandre (PV), Luisa Canziani (PTB), Luiz Nishimori (PR), Professor Luizão Goulart (PRB), Ricardo Barros (PP), Rubens Bueno (PPS), Schiavinato (PP), Sergio Souza (MDB), Vermelho (PSD) e Zeca Dirceu (PT).

About Author