Jovens em situação de vulnerabilidade social participam de Programa com foco na educação e empregabilidade

Durante um semestre, adolescentes terão a oportunidade de estudar diversos temas como desenvolvimento de competências, robótica e educação financeira

O sonho do jovem Jonas* é fazer faculdade de Engenharia, trabalhar em uma grande empresa e viajar para fora do Brasil. Para isso, ele sabe que o estudo é o começo de tudo. Jonas é um dos 70 jovens participantes do Programa ViraVida em Curitiba, programa criado pelo Conselho Nacional do Sesi, e implantado pelo Sesi no Paraná em parceria com o Sistema S, que oferece aos jovens, com idade entre 15 e 21 anos, a oportunidade de completar os estudos, se preparar para o mundo do trabalho e, ainda, ter a chance de conseguir um emprego.

Neste ano, as aulas começaram em maio e vão até o dia 13 de dezembro, finalizando a etapa com uma formatura em que pais, amigos e familiares podem participar. Neste período, os jovens terão diversas aulas e oficinas que vão desde o ensino de língua portuguesa e matemática, educação ambiental, Agenda Global 2030, comunicação e expressão e empreendedorismo. “O ViraVida é um dos exemplos bem-sucedidos de como a educação e a formação profissional podem transformar a vida de todos”, afirma Karin Odette Bruckheimer, coordenadora do Programa ViraVida do Paraná.

Para Célia*, mãe de Jonas, o projeto é uma oportunidade para que o filho tenha um futuro com mais oportunidades. “Não é só a questão do estudo, mas toda a equipe do ViraVida acredita nesses jovens e isso é muito importante. Meu filho está muito empolgado por fazer parte do programa”, comenta.

Curitiba tem cerca de 22 mil adolescentes inscritos no Cadastro Único do Governo Federal para Programas Sociais. Destes, acima de 6.500 são oriundos de famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família. De acordo com Admaro Anderson Pinto, coordenador de Promoção para o Mundo do Trabalho da Fundação de Ação Social (FAS), “o ViraVida vem de encontro ao combate da vulnerabilidade de renda, bem como na proteção social do público adolescente, pois promove a superação de diversas fragilidades sociais”. Segundo ele, o apoio da família é “a principal forma de manutenção do adolescente em qualquer oferta, desde a permanência na escola, até a assiduidade no emprego”.

Aula de Acolhida

A primeira aula ocorreu na segunda-feira (13), na unidade do Sistema Fiep localizada no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Além da participação dos estudantes, o evento contou com a presença dos pais e responsáveis e da equipe do Programa ViraVida de Curitiba. Também estiverem presentes a coordenadora de Educação da unidade CIC do Senai no Paraná, Silvana Mara Bernardi Rizotto e os representantes do Sest Senat, Reinaldo Fuzetto e Juliana Ogassawara; do Sesc Portão, gerente executivo Ester Lara Lopes dos Santos e os colaboradores Luciane Roeder, Bruno Antonio Greber; Admaro Anderson Pinto, da FAS.

Na aula, todos puderam conhecer melhor o  funcionamento e o cronograma de aulas do programa.

O Programa ViraVida Paraná

Os jovens que que participam do Programa são encaminhados ao ViraVida pelas instituições governamentais e não governamentais, como Creas, Cras, Conselhos Tutelares e Unidades de Acolhimento. Uma seleção é feita para as 140 vagas – 70 para Curitiba e 70 para Foz do Iguaçu. Os selecionados passam por um momento de pré-aprendizagem durante seis meses. Nesse período, o foco é o resgate da autoestima, avanço na escolaridade, desenvolvimento de competências, preparando-os assim ao mundo do trabalho de forma dinâmica e criativa, fortalecendo capacidades que contribuam, na atualidade e no futuro, com o crescimento sustentável do lugar onde eles moram. O Programa trabalha alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Uma das principais metas do ViraVida é garantir direitos fundamentais de acesso à educação, à profissionalização e à dignidade. No Paraná, o programa existe desde 2010 em Curitiba e Foz do Iguaçu e já atendeu mais de 1100 jovens. Em Foz do Iguaçu desde 2014, trabalha em parceria com a Itaipu Binacional por meio do Termo de Cooperação Técnica entre Sesi, Itaipu e Parque Tecnológico Itaipu.

Em seguida, os jovens começam a ser inseridos no mercado de trabalho como Sesi Jovem Aprendiz, através do Programa de Aprendizagem Profissional por meio do Senai, Senac, Senat, em empresas parceiras como CNH, Cocelpa, Supermercado Condor, Walmart, Foz Trigo, Toshiba, Parque Tecnológico de Itaipu ou pelo Programa de Iniciação e Incentivo ao Mundo do Trabalho da Itaipu, de forma a propiciar aos aprendizes competências voltadas à profissionalização e à cidadania, a partir da compreensão das características do mundo do trabalho e de seus fundamentos técnico-científicos. Outros fortes parceiros é o Sesc e o Sebrae, que trabalham com os eixos: educação, cultura, saúde, lazer e empreendedorismo. Os jovens aprendem sobre temas como higiene pessoal, saúde, empregabilidade, empreendedorismo com  metodologias inovadoras.

*Em respeito aos entrevistados, seus sobrenomes foram preservados.

About Author