Sistema Fiep inaugura aceleradora de startups na Cidade Industrial de Curitiba

Novo espaço, que faz parte de uma rede que está sendo implantada em todo o estado, amplia a estrutura de apoio à inovação na unidade

Aceleradora tem capacidade para abrigar até nove startups simultaneamente (Foto: Gelson Bampi)

Dentro da estratégia de fortalecer o ecossistema de inovação do Paraná, o Sistema Fiep inaugurou, nesta sexta-feira (6), em sua unidade da Cidade Industrial de Curitiba, mais uma Aceleradora de startups. Ela faz parte de uma rede que está sendo implantada pela entidade em todo o estado.

O presidente do Sistema Fiep, Edson Campagnolo, destacou durante a inauguração que a nova estrutura faz parte de um esforço para levar cada vez mais avanço tecnológico e inovação para a indústria paranaense. “Essa rede de Aceleradoras vai ao encontro de tudo o que pregamos durante esses 8 anos da nossa gestão, trabalhando em todos os níveis de atendimento para a indústria. É um grande passo para que a gente consiga desenvolver a questão tecnológica e de inovação dentro do Sistema Fiep”, declarou.

Para abrigar a Aceleradora, a unidade da CIC passou por algumas adaptações em um de seus blocos. O novo espaço tem capacidade para abrigar simultaneamente até nove startups, que ainda serão selecionadas. Durante a aceleração, os negócios inovadores escolhidos receberão capacitação e mentoria em eixos como capital, gestão, mercado, tecnologia e empreendedorismo. Interessados em participar do processo devem realizar um pré-cadastro pelo site: sistemafiep.com.br/aceleradora.

Ambiente inovador
A aceleradora vem se somar a outras estruturas que a unidade da CIC já possui para incentivar a inovação no setor industrial. Uma das principais delas é o Fab Lab da Indústria, laboratório em que é possível colocar em prática conceitos da Indústria 4.0, a partir da criação de protótipos e soluções inovadoras. Além disso, algumas empresas também utilizam a unidade para realizar seus projetos. Em junho, foi inaugurado o Renault Lab, espaço de inovação que tem foco no desenvolvimento de tecnologias voltadas à mobilidade sustentável, com ênfase em veículos elétricos.

Para Robert Ribeiro, piloto de inovação da RTA (Renault Tecnologia Américas), a Aceleradora vai contribuir também para os esforços da empresa. “Com certeza agora, com a inauguração desse espaço de aceleração, vamos poder unir todos esses braços para juntos buscar soluções inovadoras”, afirmou.

A expectativa é positiva também para startups que pretendem se candidatar ao processo de aceleração. É o caso da 33 Robotics, que desenvolve robôs autônomos com foco principalmente para a distribuição hospitalar de medicamentos – solução que pode ser aplicada também em estoques industriais. “Aqui, além do espaço, nós teríamos um conjunto de oportunidades. Por exemplo, a mão de obra da especialização em robótica está aqui”, disse Leonardo Alvarez, CEO da empresa, referindo-se ao curso ofertado pelo Sistema Fiep na unidade da CIC. “Teremos também a possibilidade de contato com grandes indústrias e de utilização do Fab Lab. Para nós, fecha todo um círculo que projeta o nosso futuro”, acrescentou.

Segundo Sandra Frasson, da Mob Social, a Aceleradora está muito bem posicionada para facilitar o contato com as empresas e indústrias da região. “Isso facilita o nosso trabalho e traz tecnologias sociais para essas instituições”, destaca.

Rede de Aceleradoras
No total, o Sistema Fiep está implantando nove aceleradoras no Paraná, beneficiando diversas regiões, levando soluções para indústrias de vários segmentos e portes e transformando ideias em negócios. Além da CIC, já estão em atividade as unidades do Campus da Indústria, também em Curitiba, e nas cidades de Pato Branco e Francisco Beltrão. Em breve, serão inauguradas oficialmente estruturas para abrigar startups em Maringá, Ponta Grossa, Toledo, Cascavel e Londrina.

As Aceleradoras têm o objetivo de ajudar a desenvolver empresas inovadoras em diversas áreas de negócio. Entre elas, as de transformação digital e Indústria 4.0., Smart Cities (redes inteligentes, energias renováveis e eficiência energética, mobilidade sustentável e Tecnologias da Informação e Comunicação aplicadas ao meio urbano), tecnologias para o agronegócio, fintechs, varejo techs ou healthtechs, além de outras áreas de negócio com potencial de alto impacto para a economia, sociedade e meio ambiente local.

About Author