Finep apresenta novidades na captação de recursos

Responsável por subvenção da instituição veio a Curitiba para esclarecer dúvidas de empresários que disputam os R$ 500 milhões disponíveis no edital 2010

O chefe do departamento de subvenção da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), Rene Carlos Góis, esteve nesta quinta-feira (09), em Curitiba, em um encontro promovido pelo Centro Internacional d

clique para ampliar clique para ampliarC2i e FINEP promoveram workshop para empresários paranaenses (Foto: Gilson Abreu)

e Inovação (C2i), para apresentar aos empresários paranaenses as oportunidades de captação de recursos por meio de subvenção econômica, bem como os cuidados necessários na elaboração dos projetos. A FINEP lançou recentemente um edital de subvenção econômica no valor de R$ 500 milhões destinados ao custeio de projetos voltados a inovação.

Segundo Rene Góis, a FINEP criou o departamento de subvenção com o objetivo de eliminar erros na avaliação dos projetos e para garantir uma seleção mais ampla e democrática de acordo com o potencial inovador de cada empresa ou projeto. “Desde que entrou em vigor a Lei da Inovação (10.973), o edital de subvenção passou a ser o maior programa de custeio da FINEP, e isso exigiu uma equipe exclusiva de analistas e técnicos”, ressalta.

A inovação na moda corporativa

Inovar é a palavra de ordem na governança corporativa. As empresas brasileiras, cada vez mais, apostam em produtos e serviços com Pesquisa e Desenvolvimento em Inovação (PD&I) para enfrentar os mercados competitivos atuais. Porém, toda inovação tem um preço, e o maior vilão do empreendedor brasileiro ainda é o recurso financeiro. Até bem pouco tempo, a principal reclamação dos empresários era a falta de capital para investimento em desenvolvimento. Agora os recursos existem, e o desafio é chegar até ele. Segundo o coordenador do Núcleo de Capital Inovador do C2i, Wikings Machado, o Brasil conta com cerca de R$ 17 bilhões disponíveis, entre recursos privados e públicos, para fomento de projetos inovadores. “Os recursos existem, agora as empresas precisam ser informadas e se preparar melhor para atrair investimentos para o custeio das suas ideias”, reforça.

Os valores disponíveis na modalidade de subvenção econômica são considerados como “não reembolsáveis”, ou seja, a empresa beneficiada não precisa devolver os valores captados a instituição. Mas o especialista da FINEP alerta: “Todos os valores de subvenção econômica liberados pela FINEP exigem uma contrapartida financeira que vai de 10% até 200% do valor captado, de acordo com o potencial financeiro da empresa”.

Cuidados – O chefe de subvenção da FINEP aproveitou o encontro com os empresários paranaenses para alertar quanto aos cuidados que eles devem ter na hora de submeter seus projetos para a avaliação. Segundo Góis, deve-se atentar a todos os detalhes do edital. “Nossos analistas seguem rigorosamente um cronograma de critérios de avaliação. Todas as etapas do projeto devem ter seus gastos devidamente justificados, sob o risco de redução no valor liberado e até da reprovação do projeto”, alerta.

Núcleo Capital Inovador C2i – Desde abril, o Centro Internacional de Inovação (C2i), do Sistema Fiep, conta com o Núcleo de Capital Inovador, que atua no monitoramento de oportunidades de fomento para cada tipo de negócio inovador das empresas participantes do programa. Com base em um amplo estudo de cada organização, os consultores do C2i ajudam na elaboração de projetos e no agenciamento para a captação de recursos, na transferência de conhecimento sobre fomentos, na construção de planos de negócios para apresentar aos possíveis investidores e na representação da indústria e sindicatos junto a FINEP e, também, outros órgãos de fomento.

Para Rene Góis, a contratação de consultorias para auxiliar na elaboração dos projetos é uma prática saudável, porém, o edital não contempla, tão pouco, exige essa atividade. “A FINEP não recomenda em seus editais a contratação de consultorias, mas entende que as empresas que fazem uso de iniciativas como esta, promovidas por instituições como a Fiep, terão mais facilidade na construção dos projetos”.

Histórico – O edital de Subvenção da FINEP 2010 está na quinta edição. Este ano, o valor previsto é 7% maior do que o valor liberado em 2009, que foi de R$ 465 milhões. A média de inscritos em todo o Brasil é de 2500 projetos a cada edital. Destes, apenas 10% são aprovados. O Paraná, segundo Rene Góis, tem surpreendido a FINEP no crescente número de projetos inscritos e aprovados a cada ano. “Na primeira edição, em 2006, o Paraná teve nove projetos aprovados. Em 2009, das 162 ideias apresentadas, 17 foram aprovadas”, destaca.

O edital está disponível no site da FINEP (www.finep.gov.br) e as inscrições vão até o dia 7 de outubro. Poderão concorrer aos recursos, empresas de qualquer porte, individualmente ou em associação com outras empresas. Não será permitido a uma determinada empresa apresentar ou participar de mais de uma proposta por tema. O menor valor a ser solicitado é de R$ 500 mil, podendo o financiamento chegar ao valor máximo de R$ 10 milhões. No mínimo, 40% dos recursos serão investidos em micro e pequenas empresas, e 30% do valor total do edital deverá atender empresas localizadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. “Faz parte das estratégias do MCT, priorizar o desenvolvimento de regiões com maior carência de desenvolvimento, como o Norte e o Nordeste. Porém, estas regiões nem sempre atingem o percentual destinado a elas com apresentação e/ou aprovação de projetos. Neste caso os recursos são destinados as demais regiões”, finaliza Góis.

Para esclarecer dúvidas sobre o Edital de Subvenção FINEP 2010 entre em contato pelo e-mail sbv2010@finep.gov.br

Sistema Fiep - Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná
Av. Cândido de Abreu, 200 - Centro Cívico - 80530-902 - Curitiba-PR