Quero internacionalizar o meu produto, e agora?

Em tempos de desaquecimento do mercado interno, desvalorização do real frente ao dólar, a internacionalização surge como uma oportunidade

Internacionalizar não significa somente exportar, mas é uma oportunidade para consolidar e desenvolver produtos e serviços. “Atuar no mercado global é importante para também se manter competitivo no mercado interno. Para isso, é preciso ter tecnologia, informações atualizadas e um modelo de negócio adequado”, explica Reinaldo Tockus, gerente de Relações Internacionais da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

Confira algumas dicas para internacionalizar seu negócio:

1-Analise se sua empresa tem capacidade

Apesar de o câmbio estar favorável, isso não significa que qualquer empresa pode se lançar no mercado exterior. É preciso estar preparada para um mercado mais exigente.  Caso não esteja madura em relação ao processo, busque por capacitação.

A busca por treinamentos e serviços específicos, de acordo com levantamento do Centro Internacional de Negócios do Paraná da Fiep, aumentou de 2014 para 2015.  As capacitações tiveram um aumento de 196% e as consultorias de inteligência comercial registraram acréscimo de 144%.

2- Invista em relações duradouras

Depois de verificar se a empresa se preparou para iniciar as atividades no mercado internacional, é preciso pensar em manter relações a longo prazo. “A desvalorização cambial do real traz uma oportunidade para atuar no comércio exterior, mas só isso não é o suficiente; a empresa precisa pensar a longo prazo e consolidar os clientes internacionais. Que seja uma estratégia do negócio da empresa atuar no mercado global”, alerta Reinaldo.

3- Busque formas de alavancagem financeira

Como qualquer ampliação de mercado, comercializar no exterior exige investimento financeiro.

A paranaense Rotary Speto, empresa que vende espeto giratório, vê uma grande oportunidade de negócio e está pronta para a internacionalização. “Estamos em um momento de alavancagem financeira”, conta Paulo Henrique Vallascky, business manager da empresa.

Para a viabilidade econômica, a empresa constantemente busca por informações e novidades sobre o comércio exterior. Recentemente, participou de um Seminário de Crédito, da Federação das Indústrias do Estado do Paraná, em parceria com o Banco do Brasil, para obter informações sobre os recursos para exportar. “Através do evento a Fiep facilitou o contato com o agente financeiro, que muitas vezes não vê potencial de negócio”, afirma.

Marcio Ferraro, gerente executivo do Banco do Brasil, afirma que há uma política nacional de incentivo à exportação e um volume de crédito disponível para as empresas. “Há linhas para todo tipo de porte de empresa, algumas delas mais baratas que o crédito interno”, esclarece Ferraro.

Ainda são poucas empresas que atuam no mercado global.  Em 2015 eram 16 milhões de empresas no Brasil, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Destas, apenas 12 mil exportavam seus produtos.

A Fiep oferece assessoria às empresas na busca por formas de financiamento. Saiba mais.

Poliane Brito

Notícias relacionadas:

O que preciso saber para ingressar no comércio exterior

Atento a movimento na economia nacional, IEL lança curso de comércio exterior

About Author