Presidente da Fiep participa de encontro com ministro da Produção da Argentina

Para Edson Campagnolo, ficou claro que o país vizinho vive um novo momento, com a retomada da confiança de investidores

O presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, participou nesta semana, em Brasília, de um encontro de representantes de indústrias e entidades empresariais brasileiras com o ministro da Produção da Argentina, Francisco Adolfo Cabrera. Na ocasião, foram discutidas questões referentes ao comércio bilateral entre os países. Para Campagnolo, ficou evidente que o governo argentino liderado pelo presidente Mauricio Macri, empossado há pouco mais de quatro meses, já criou um novo ambiente para investimentos no país vizinho, que gera boas oportunidades para empresas brasileiras.

“É impressionante que, em um período de poucos meses, o novo governo já tenha criado um cenário de grande otimismo, resultando numa retomada dos investimentos que trará muitos benefícios para a Argentina”, afirma o presidente da Fiep. “Isso deixa claro que a estabilidade política e um governo com visão para incentivar os negócios são fundamentais para conquistar a confiança dos investidores e se iniciar um processo de recuperação da economia”, completa.

Como exemplo dessa retomada, Campagnolo cita um dos exemplos relatados na reunião, de uma empresa brasileira fabricante de ônibus – uma das 15 indústrias representadas no encontro. A companhia possui uma planta na Argentina com capacidade para produzir até 28 veículos por dia. Até há pouco tempo, não vinha produzindo nem dez ônibus por dia. Hoje, para atender todas as encomendas, precisaria praticamente dobrar sua capacidade de produção.

Além da retomada dos investimentos privados, Campagnolo ressalta que o governo argentino anunciou o lançamento de um grande programa de obras de infraestrutura e saneamento básico. “Essa é mais uma boa oportunidade para empresas brasileiras do setor da construção civil”, diz.

Demandas – O presidente da Fiep também aproveitou o encontro em Brasília para entregar dois ofício ao ministro Francisco Adolfo Cabrera. No primeiro, pede ao governo argentino que realize esforços para agilizar os trâmites aduaneiros na fronteira entre o país e o Paraná. Hoje, existem quatro aduanas entre o Estado e a Argentina: Foz do Iguaçu/Puerto Iguazú, Capanema/Comandante Andresito, Santo Antonio do Sudoeste/San Antonio e Barracão (PR) – Dionisio Cerqueira (SC)/Bernardo de Irigoyen.

A Fiep pede principalmente a ampliação dos horários de trabalho nesses postos fronteiriços e a ativação da aduana de Capanema/Comandante Andresito para o transporte de cargas. Atualmente, mesmo possuindo as instalações físicas necessárias para os tramites aduaneiros de cargas, ela libera apenas o trânsito de veículos e ônibus e, ainda, em horário limitado das 7h às 19 horas.

No segundo ofício, a Fiep pede a revisão de uma norma argentina que passou a exigir a chamada Licença de Importação para chapas de madeira provenientes do Brasil. A entidade argumenta que o comércio desses produtos entre os dois países já está consolidado e que limitações nesse fluxo podem trazer prejuízos tanto aos produtores brasileiros quanto aos comerciantes e distribuidores argentinos.

About Author