Coluna > Coluna semanal

Produção industrial paranaense é a que mais cresceu no país, mas setor ainda vive incertezas

Incertezas ainda decorrentes da pandemia do novo coronavírus mostram a necessidade de que novas medidas sejam adotadas para reativar a economia

Os recentes resultados da produção industrial paranaense referentes a maio, divulgados pelo IBGE, trouxeram boas notícias para o setor. A produção do Paraná foi a que mais cresceu no país no mês, puxada pelo setor alimentício e recuperando parte das grandes perdas registradas em abril. No acumulado do ano, porém, a indústria do Estado ainda registra queda de 8,9% em relação a 2019. Na opinião da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), essa é uma realidade que, diante das incertezas ainda decorrentes da pandemia do novo coronavírus, mostra a necessidade de que novas medidas sejam adotadas para reativar a economia.

“Entendemos a necessidade de medidas restritivas para conter a proliferação da pandemia, já que a preservação da saúde pública e da vida deve vir em primeiro lugar. Mas a questão econômica também é urgente”, afirma o presidente da Fiep, Carlos Valter Martins Pedro. “O impacto sobre as atividades produtivas tem sido muito grande, gerando inúmeras dificuldades para as empresas e insegurança para trabalhadores e consumidores. É preciso intensificar a adoção de medidas tanto para socorrer as empresas quanto para retomar o máximo possível de atividades dentro de parâmetros seguros”, acrescenta.

No primeiro ponto, a Fiep vê como positiva a possibilidade de prorrogação dos acordos de redução proporcional de jornada e de salário e de suspensão temporária do contrato de trabalho. Decreto federal publicado nesta semana ampliou para 120 dias o prazo máximo para adoção desses mecanismos pelas empresas. “Essa medida, adotada logo no início da pandemia, foi fundamental para dar fôlego às empresas e garantir a manutenção de empregos. Agora, quando ainda temos incertezas quanto à duração das medidas restritivas, certamente a prorrogação vai ser importante”, diz Carlos Valter. Para a Fiep, facilitar o acesso ao crédito, visto que muitas indústrias ainda enfrentam dificuldades para obter recursos de linhas emergenciais, é outra ação essencial para dar fôlego ao setor neste momento.

Medidas preventivas
Em relação a uma retomada mais intensa da economia, a Fiep entende que diversos setores têm condições exercer suas atividades com segurança. “Os empresários estão sendo responsáveis, tomando os devidos cuidados preventivos, porque a eles não interessa qualquer contaminação de seus funcionários. É importante que a capacidade de produzir da indústria paranaense seja mantida, assim como é fundamental a preservação dos negócios para garantir emprego e renda para os trabalhadores”, diz o presidente da Fiep.

Para a entidade, também é essencial que se busquem caminhos para a retomada da confiança dos consumidores. “Temos um consumidor com receio de desemprego, com receio do seu futuro. É vital que sejam encontradas soluções para a questão sanitária para que se recupere também a confiança em nossa economia”, afirma Carlos Valter.

About Author