Coluna > Coluna semanal

IBGE confirma: indústria do Paraná tem maior alta do Brasil

Crescimento da produção industrial paranaense foi de 7,7% em setembro, consolidando a trajetória de recuperação das perdas causadas pela pandemia

Setores como o moveleiro registram alta na produção e no emprego, mesmo com dificuldades para adquirir insumos (Foto: Gelson Bampi)

A indústria paranaense dá sinais cada vez mais consistentes de que está recuperando seu dinamismo após as perdas acumuladas com a pandemia. Em setembro, a produção industrial do estado, com alta de 7,7% em relação ao mês anterior, foi a que mais cresceu no país. Um desempenho que veio acompanhado da geração de empregos: no mesmo mês, o segmento puxou a criação de vagas no Paraná, com 6.626 novos postos de trabalho. Para a Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), esses são sinais de que o setor terá um fim de ano positivo.

A previsão ocorre mesmo com algumas dificuldades que as indústrias vêm enfrentando na aquisição de insumos e matérias-primas – um problema que afeta não apenas as empresas paranaenses, mas de todo o Brasil. Pesquisa recente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que 68% das empresas consultadas estão com dificuldades para obter insumos ou matérias-primas no mercado doméstico e 56% das que utilizam insumos importados têm dificuldades em adquiri-los no mercado internacional. Além disso, 82% perceberam alta nos preços.

Isso gera complicações para atender todos os pedidos dos clientes. Segundo o levantamento, 44% das empresas estão com dificuldades para entregar suas encomendas. “Muitos setores industriais estavam com estoques praticamente zerados e, com a retomada das atividades, precisam ajustar a demanda a suas capacidades produtivas”, explica o presidente da Fiep, Carlos Valter Martins Pedro. “E o aumento repentino das encomendas também causou essas dificuldades para aquisição de insumos e matérias-primas”, completa.

Perspectivas

Para Carlos Valter, o fornecimento para as cadeias produtivas deve se normalizar nos próximos meses, sem que isso cause maiores prejuízos para as indústrias ou dificuldades para os clientes e consumidores. “Pelo contrário, esse pode ser considerado um problema bom, que tem como resultado o aumento da produção industrial, beneficiando também a sociedade com a geração de mais empregos e renda pelo setor”, afirma.

Segundo o presidente da Fiep, até o fim do ano a indústria paranaense deve manter a trajetória de forte recuperação, minimizando as perdas causadas pela pandemia. “Todos os indicadores de confiança da atividade industrial do Paraná são positivos, o que revela um cenário promissor para o restante de 2020 e para o próximo ano”, conclui.

About Author