Coluna > Coluna semanal

Indústria do Paraná pretende ampliar investimentos em 2022

Pesquisa Sondagem Industrial, realizada pela Fiep, mostra que 72,9% das empresas do setor planejam investir no próximo ano

Empresas devem investir na melhoria de processos, redução de custos e aumento da capacidade (Foto: Gelson Bampi)

Apesar de um cenário econômico ainda marcado por incertezas, a indústria do Paraná prevê a ampliação de investimentos em 2022. A 26ª edição da Sondagem Industrial, pesquisa realizada anualmente pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) para medir as expectativas dos empresários do setor para o próximo ano, mostra que 72,9% das empresas pretendem fazer novos investimentos.

O levantamento revela que a maioria dos recursos será aplicada na melhoria de processos, produtos ou serviços, apontada por 64,5% dos entrevistados, e na implantação de medidas que reduzam custos de produção, prioridade para 48,7%. O aumento da capacidade produtiva também está nos planos de 45,4% das indústrias.

“A indústria paranaense é a quarta maior do Brasil e, por sua força e diversificação, de maneira geral tem conseguido superar os efeitos da crise causada pela pandemia”, afirma o presidente da Fiep, Carlos Valter Martins Pedro. “Mesmo diante de incertezas que ainda existem em relação aos rumos da economia brasileira, o desempenho do setor ao longo de 2021 faz com que a maioria dos empresários tenha confiança para realizar investimentos que mantenham ou ampliem sua competitividade”, acrescenta.

Otimismo e dificuldades
As previsões de investimentos estão em alinhamento com as perspectivas favoráveis que os industriais paranaenses têm para seus negócios no próximo ano. A 26ª Sondagem Industrial revela que 68,7% dos entrevistados estão otimistas ou muito otimistas em relação ao desempenho de suas empresas, apostando principalmente no aumento de vendas de seus produtos.

Apesar disso, existem fatores que causam preocupações nos industriais. Entre os principais estão a crise hídrica e a consequente insegurança energética causada por ela – fatores que ganharam relevância ao longo de 2021. O aumento dos custos e escassez de matérias-primas tem sido outra dificuldade para muitas empresas, assim como há incertezas em relação ao ambiente político em um ano eleitoral. Além disso, a pesquisa da Fiep revela outros quatro temas considerados de alto impacto para a melhoria do ambiente de negócios e aumento de competitividade das indústrias: Reforma Fiscal, Reforma Tributária, combate à corrupção e desburocratização.

Os resultados completos da pesquisa, inclusive com recortes de diferentes macrorregiões do Estado, estão disponíveis clicando aqui.

About Author