Coluna > Coluna semanal

Paraná e Brasil precisam buscar preço competitivo para o gás natural

Fiep vai aprofundar o diálogo com o governo estadual em busca de soluções que possibilitem a ampliação da oferta e a redução de custos do energético

Gás natural é utilizado especialmente por setores que precisam gerar calor em seus processos produtivos, como o cerâmico, de papel e celulose e siderúrgico, entre outros (Foto: Compagas)

O gás natural é o combustível da transição energética entre as fontes fósseis e as energias renováveis, e que tem condições de ampliar a competitividade da indústria. Utilizado especialmente por setores que precisam gerar calor em seus processos produtivos, como o cerâmico, de papel e celulose e siderúrgico, entre outros, é essencial que seja comercializado em volumes suficientes e a um preço justo. Por isso, a Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) vai aprofundar o diálogo com o governo estadual em busca de soluções que possibilitem a ampliação da oferta e a redução de custos desse energético para a indústria paranaense.

Recentemente, em decorrência da queda nos preços internacionais do petróleo, a Compagas, companhia responsável pela distribuição do energético no Estado, anunciou uma redução média de 11,2% em suas tarifas. Ainda assim, a tarifa para o segmento industrial continua sendo a mais cara do país.

Nos próximos dias, as presidências da Fiep e de sindicatos industriais que representam grandes consumidores da molécula vão se reunir com o governador Carlos Massa Ratinho Junior. A intenção é que seja construído o Plano Gás Paraná, estabelecendo novas políticas que permitam maior oferta e redução nos custos do gás natural do Estado, assim como possibilitem a ampliação da geração de biogás, que é o biocombustível produzido a partir da decomposição biológica de matéria orgânica.

A Fiep entende que esse processo deve contar com a participação do poder público e da iniciativa privada, pois o usuário é o elo fundamental e deve ser ouvido em todas as etapas da elaboração do plano. Com novas medidas, a indústria paranaense ganhará competitividade, o que pode levar os produtos paranaenses a conquistar outros mercados, além de tornar o Estado mais atrativo para novos investimentos produtivos. Isso causará impacto direto no PIB paranaense e na geração de empregos e renda, beneficiando toda a população.

Novo Mercado de Gás
O momento é propício para essa mobilização. No início do mês, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 6407/2013, que regulamenta o mercado do gás natural no Brasil, abrindo a possibilidade do mercado livre de gás e que inclusive empresas estrangeiras comercializem e transportem o energético. Estima-se que, com essa abertura, o país possa atrair R$ 60 bilhões em investimentos, gerando mais de 4 milhões de empregos.

Por isso, a entidade agradece a todos os deputados federais paranaenses que votaram favoravelmente ao projeto. E, como a medida ainda precisa ser apreciada pelo Senado, espera que os três senadores do Estado, assim como todo o plenário, também votem pela aprovação da proposta da mesma forma que foi aprovada pela Câmara.

About Author