Investimentos em rodovias são essenciais para acompanhar crescimento industrial dos Campos Gerais

Prioridades para a infraestrutura da região foram debatidas em Ponta Grossa, dentro da rodada de atualização do Plano Estadual de Logística em Transporte

Encontro reuniu representantes de diversas entidades da região

Melhorar a malha rodoviária que cruza os arredores de Ponta Grossa é uma das prioridades para a infraestrutura dos Campos Gerais, uma das áreas com maior crescimento industrial nos últimos anos no Paraná. A necessidade de melhorias nesse modal foi apontada por lideranças do setor produtivo e da sociedade civil da região durante reunião de atualização do Plano Estadual de Logística em Transporte (PELT 2035), realizada na cidade nesta quinta-feira (28).

Elaborado em uma construção coletiva que envolveu representantes de mais de 20 entidades paranaenses e com condução técnica do Conselho Temático de Infraestrutura da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), o PELT apresenta 97 obras e projetos prioritários para que o Estado elimine gargalos logísticos até 2035. Desde o lançamento da última versão do plano, em 2016, 24% das intervenções foram concluídas. A maior parte, equivalente a 55% das demandas, já está planejada ou em início de execução. E os outros 21% ainda não tiveram avanços.

O coordenador do Conselho de Infraestrutura da Fiep, Edson Vasconcelos, avaliou que, de maneira geral, houve boa evolução nos projetos incluídos no PELT. “O Paraná melhorou muito em vários pontos, como na questão portuária, onde mais tivemos entregas. O modal rodoviário, por outro lado, foi o que menos evoluiu”, disse. “Para nós, é muito claro que isso ocorreu devido à pouca efetividade das concessões anteriores e por uma certa demora da nova licitação”, ressaltou.

Para o empresário Álvaro Scheffer, presidente do Sindicato das Indústrias de Serrarias, Carpintarias e Tanoarias e de Marcenarias de Ponta Grossa (Sindimadeira-PG), aprimorar a malha rodoviária é uma medida essencial para acompanhar o desenvolvimento econômico e industrial que a região vem apresentando recentemente. “Ponta Grossa se caracterizou como um polo industrial extremamente diversificado, que vai da agroindústria à indústria automobilística. Nossa região cresceu muito, porém também cresceram os problemas de mobilidade”, afirmou. “Dependemos de uma boa logística para que a cidade continue crescendo e para que possamos gerar mais empregos”, completou.

Obras previstas
Scheffer apontou que uma das obras prioritárias é a construção do contorno rodoviário de Ponta Grossa, que desafogaria o tráfego de caminhões que hoje sobrecarrega a Avenida Souza Naves. “É fácil pegar a Souza Naves e ficar uma hora para passar 2 ou 3 quilômetros, porque a cidade estrangulou. Por isso, os projetos dos Contornos Norte e Oeste são muito importantes”, explicou.

O gerente de Assuntos Estratégicos da Fiep, João Arthur Mohr, responsável pela condução técnica do PELT, detalhou que esses contornos estão previstos no novo modelo de concessões de rodovias, cuja licitação dos lotes que abrangem a região pode ocorrer ainda neste ano. “Teremos um universo de obras muito grande no Paraná e talvez as mais esperadas pela região sejam realmente esses contornos de Ponta Grossa”, disse, acrescentando que o primeiro trecho deve ser concluído até o sexto ano de concessão.

Segundo Mohr, os novos pedágios também preveem outras obras que vão melhorar o transporte rodoviário nos Campos Gerais. “Ponta Grossa terá uma saída totalmente duplicada não só até Piraí do Sul, mas com a continuação da duplicação até Sengés, além da duplicação de todo o Norte Pioneiro até Jacarezinho, pela PR 092. Também serão completados os trechos faltantes de duplicações em Imbaú e Ortigueira, no caminho para Apucarana, além da duplicação completa entre o trevo do Caetano e o trevo do Relógio, na BR 373”.

Outra intervenção que interessa à região é a construção de pistas adicionais entre Ponta Grossa e Curitiba, na serra de São Luiz do Purunã, que é um trecho crítico da estrada e passará a ter três faixas em cada sentido. Também está prevista a duplicação completa da BR 277, muito usada por quem vai dos Campos Gerais até Guarapuava, Cascavel e Foz do Iguaçu.

Apesar da previsão de melhorias em todas essas rodovias principais, Álvaro Scheffer, do Sindimadeira-PG, fez um alerta sobre outra necessidade: a ampliação de investimentos em estradas secundárias. “Nossa região acabou sendo esquecida do ponto de vista das estradas secundárias. Temos estradas estaduais, como as PRs 090 e 513, que estão praticamente abandonadas, não são asfaltadas e já estão com um volume de tráfego que precisa de asfalto”, destacou.

Próxima reunião
A última versão do PELT 2035 pode ser acessada clicando aqui. Além de Ponta Grossa, as cidades de Londrina, Maringá, Cascavel, Francisco Beltrão e Guarapuava também já receberam reuniões para atualização do plano. A série de encontros regionais será encerrada nesta sexta-feira (29), em Curitiba.

About Author